Pão é energia

   © Thais Moura

 © Thais Moura

Chega aquele amigão em casa e vocês sentam para bater papo e tomar um café. 

Na mesa tem:

- café

- brioche

- manteiga

- mel

- doce de abóbora com côco

 O amigo é querido, o papo é uma delícia e a ocasião tem sabor especial (história baseada em fatos reais!).

Mas se existe recomendação clínica de evitar alguns desses alimentos, pode vir junto um sentimento pesado e a quase irresistível vontade de culpar os pobrezinhos. 

A boa notícia é que todos eles são boas fontes de energia.  

O problema está quando ingerimos muito de uma ou de todas, e não gastamos. 

Muita energia ingerida e pouco movimento feito, tem boas chances de aparecer em forma de sobrepeso ou obesidade, e de outros processos inflamatórios, como o diabetes, a hipertensão ou a hipercolesterolemia.  

O alimento quando ingerido é interpretado como energia pelo organismo e distribuída pela corrente sanguínea. É como se nossas veias fossem as linhas do metrô, a energia as pessoas, e as células os vagões. Em vagão cheio não cabe mais ninguém, quem sobrou ou vai esperar na estação até que possa entrar, ou desisite de embarcar mas tem que voltar para algum lugar (é quando acumula gordura em célula adiposa - obesidade - ou em artérias - aterosclerose e hipertensão).

Aumentar o peso pode significar sobrecarregar articulações, que prejudicam a autonomia e limitam movimento. Corpo parado enfraquece, gasta menos energia e adoece.

Se o caso não for o peso aparente, mas os outros processos inflamatórios, funciona bem parecido.

O açúcar quando consumido em excesso (no menu do café, pão/ mel/ doce são considerados açucares), pode se tornar inacessível (diabetes tipo II), e isso gera indisposição; deteriora capsulas articulares, e isso limita o movimento, que prejudica a autonomia assim como o excesso de peso. Além de tanto um processo quanto o outro virem acompanhados de dores, que costumam passar a partir do efeito do movimento. Remédio não tem a mesma eficácia quando administrado sozinho. 

Podemos visualizar essa situação por diferentes prismas, e todas cruzarão com o movimento em algum momento.

Não precisa procurar um culpado, não existe vilão nessa história, apenas informação para lembrar na hora de tomar decisões. 

Se você tem dúvidas sobre como gastar energia, que tipo de atividade, exercício ou esporte praticar, pode me escrever. Vou gostar de conhecer a sua história e cooperar com essa bonita relação de se alimentar e nutrir, para movimentar e sorrir.