Um exemplo que pode ser copiado

    © Thais Moura

© Thais Moura

Ela tem 55 anos e está em busca de um objetivo (um principal seguido de outros) através do exercício: emagrecer.

Sabe que se perder 10% da adiposidade que carrega hoje, vão juntos a hipertensão, boa parte do mal estar provocado pela artrose no joelho, e chegam mais o bem estar e a disposição.

Ela é mãe, avó, dona de casa, administradora. Carrega muitas tarefas, peso de traumas da vida, 10kg de excesso de peso, hipertensa controlada com remédio, tem artrose no joelho direito, faz terapia medicamentosa e antes de iniciar as atividades, no dia 27 de dezembro (essa foi promessa de ano novo. adia emagrecer e gozar da vida mais leve faz muitos anos. já fez dietas, tomou remédios para a ansiedade, mas não adianta. sem exercícios não funciona), sentia dores dia-e-noite, que já limitavam os movimentos, não havia posição confortável nem para dormir.

Quem é que pode ser feliz com dor? Diria que representa um caso bem comum, uma combinação de fatores natural de quem reune essas características. Se sentindo pouco estimulada a ir a uma academia e por buscar um acompanhamento bem de perto, me procurou e tem dado certo. É bom que a motivação parta de quem percebe na mudança um ato positivo, senão é martírio ser cobrado. E ela desperta com boa sensação à medida que os limites vão sendo superados, tudo ao seu tempo.

Desde então, há um mês e 24 dias, faz exercícios todos os dias (sábados, domingos e feriados também), meia hora por dia. Sistematizado, respeitando os limites do conforto, oferecendo desafios pertinentes para que a superação seja alcançável e merecedora de comemoração. E foi exatamente o que aconteceu hoje.

Após concluir o primeiro mês de caminhada e pedal na rua (fazia anos que não andava de bike na rua! essa se desafiou a ser superada diariamente), e exercícios funcionais, com o inchaço reduzido logo na primeira semana e o aumento da mobilidade, agora é a vez do boxe + pedal/ caminhada/ corrida. São estímulos curtos e fortes, em forma de circuitos.

Toda sessão inicia com massagem miofascial e o bem estar começa assim, imediato. Hoje ela fez os 10seg de corrida na sombra no parque, entre uma volta pedalando e outra, flutuando! Juro, ríamos de alegria ao ver aquilo e ela ao se sentir e me contar, foi incrível. A mecânica estava super eficiente, ela sentiu, eu vi.

Na semana passada ainda se sentia pesada (descrição que ela mesma fazia), era custoso. Hoje fluiu. E concluimos, o que trás o resultado é a consistência. Se não repetir e passar pelo mal estar da mudança de rotina, de se submeter a fazer o que não está acostumado e pela sensação de incapacidade, não dá chance do organismo reagir. Viva! A ACSM (American College os Sports Medicine), instituição científica que já citei outras vezes e considero a seriedade ao agrupar os melhores resultados de pesquisa na área, no mundo, pontua que para deixar de ser sedentária a pessoa deve praticar 150' de atividades sistematizadas/ semana. Isso equivale a 30/ dia em 5 dias. Não adianta matar os 150 em um unico dia, é como almocar 7 vezes no domingo e só voltar a almoçar uma semana depois.

Essa mulher e tantas outras pessoas que buscam no movimento sentir-se bem, são as evidências que comprovam a pesquisa. E assim seguimos. Ainda não completou dois meses, já fez bastante, mas ainda tem muito mais. Um pouco por dia pra ficar legal, só pode dar certo.